Bú! :-P

A Humana Arte de Transformar Choros em Sorrisos

Erondi - Palhaço de Hospital - Cirurgiões da Alegria

Era quase fim do expediente, já tínhamos caminhado por todo o hospital e estávamos voltando para o nosso antro besteirológico, quando de repente ouve-se um choro muito estridente de um bebê.

 

Bem na hora do ocorrido estávamos passando pelo posto de enfermagem. Os berros, os olhares dos palhaços para com as enfermeiras e a comunicação. Não foi necessária nenhuma palavra para que entendêssemos que a nossa ajuda era bem vinda. Fomos até o quarto, lá estavam duas enfermeiras, uma mãe e uma criança. Essa se debatia na cama, recém acordada da anestesia da cirurgia e desesperada por não saber o que estava acontecendo, o choro era muito alto, as enfermeiras tentavam conter o braço para que o cateter não saísse e nós, os palhaços, ao vermos toda essa situação conturbada tentávamos contagiar com uma energia completamente oposta, cheia de calma e tranquilidade, estávamos sem instrumentos, mas mesmo assim decidimos tocar uma música.

 

Tocávamos com o corpo, com a boca cantávamos e fazíamos alguns sons malucos e com a alma permanecíamos em comunhão com aquele momento delicado e assustador na vida daquela criança. Estávamos presentes, juntos da equipe, da mãe e da criança.

 

Não sei classificar ao certo os porquês dos fatos que se seguem, mas a partir do momento em que conseguimos penetrar naquela atmosfera densa e pesada, carregada de choro e de dor, com nossa calma e serenidade, com nossa arte e cumplicidade, o choro foi diminuindo, o silencio foi se estabelecendo, a criança se acalmou, a mãe pode finalmente pega-la no colo onde ela exausta adormeceu. Fomos saindo sem dizer nada, as enfermeiras vieram quase junto com a gente, e ao sair do quarto rolou até uma comemoração entre nós, não sabíamos ao certo o que comemorávamos, talvez o fato de ter transformado aquele ambiente de alguma forma.

 

Olhei no olho do meu parceiro de trabalho e procuramos não entender e nem argumentar sobre o que tinha ocorrido, só guardamos em nossos corações a certeza de que tínhamos feito uma coisa boa e bela, que estava para além de nós e de nossas compreensões, que estava no âmbito da vida, no âmbito da arte…

 

 

Palhaço: Cirurgião Erondi

Artista: Hugo Delariva

Cidade: Limeira

Hospital: Humanitária.

Mês: Maio

Clique aqui  e ajude com que mais histórias como essa aconteçam ;o)

#Compartilhe

Deixe um Comentário