Bú! :-P

O Poder de um Imprevisto

2018-06-26 MEDICAL (Luana Souza) (47) 1

Nosso dia a dia requer muito preparo, técnico, artístico, o improviso, a higienização, habilidades, estado de palhaço, roteiro, o que pode e o que não pode, e um preparo específico que é navegar no universo hospitalar, estar preparado para imprevistos.

E aí você pode me perguntar “mas como você fica preparado para imprevistos, sendo que o imprevisto é acaso?”. Você tem razão, o significado da palavra no dicionário é “1. Que ou aquilo que não foi previsto; inesperado”, porém, a segunda definição segundo o dicionário é muito interessante: “2. Que ou quem não é precavido; descautelado”.

E é aí que mora o nosso trabalho, descautelado, não precavido. Estar nesse estado neutro, desprovido do pensar, sem expectativas, apenas reagindo ao que o universo nos manda, abre um espaço enorme para que o imprevisto aconteça e a criatividade brote do estado mais simples, “do nada”, ou do tudo na verdade. Tudo o que você já aprendeu na vida, toda a sua bagagem de conhecimento se funde e apronta uma saída para o inesperado de maneira tão natural, que até parece que foi programada e pensada. Na verdade, os anos de preparo te gabaritam para o “parece que foi programado”, e foi realmente, só que pela vida.

Vejo que quando falam para você “saia da caixa, pense diferente”, estar descautelado é uma maneira muito interessante de criar algo novo. Nessa condição, não há juízo de valores, não há certo ou errado, é um espaço onde tudo pode, onde tudo acontece. É a criatividade no seu estado mais sutil, e na verdade, seria bom se todos nós nos relacionássemos dessa maneira, sem duvidar do outro, sem ter aquele pé atrás ao negociar com alguém. Deveríamos não nos precaver de nada, apenas estarmos uns com os outros, sem manobras ou apelações. Em verdade, assim como é uma dupla de palhaços, muito verdadeiros uns com os outros.

Toda essa introdução para contar um fato que aconteceu no “tempo de espera”, que aliás, acreditamos ser um tempo muito precioso de criação e novos acontecimentos. Sabe aquele tempo que você fica esperando uma reunião? Sabe aquele dia que há um atraso e você fica parado em uma lanchonete uma hora e meia esperando? Entre outros exemplos, para nós, esse tempo é fundamental! Tudo acontece nesse intervalo! você pode conhecer uma pessoa, ver algo no ambiente que te inspire, ler uma frase, observar o andar de alguém, experimentar um sabor diferente, e por aí vai, são muitas as opções.

Foi nesse tempo de espera, ou o intervalo entre um instante e outro, que descobrimos uma nova cena. Um chapéu, duas cabeças e o imprevisível. O Cirurgião Gaguelho jogou seu chapéu para o alto, errou, caiu na minha cabeça. Automaticamente saí procurando onde caiu o chapéu e ele procurando o chapéu em outros lugares. Pronto, está dado o start para um novo jogo, uma nova possibilidade. É claro que aquilo foi o momento fresco, o imprevisível, agora, estamos trabalhando e refinando a cena.

Sabe como isso tudo aconteceu? Simplesmente por estarmos ali prontos e dispostos a viver o imprevisto.

Artista: Tiago Abad

Palhaço: Cirurgião Acerola

Cidade: Limeira

Hospital: Medical

Mês: junho – 2018

#Compartilhe

Deixe um Comentário